Portugueses de Valor 2022: Nomeado Hugo Morgado
12 Aug, 2022 Última Actualização 11:55 AM, 8 Aug, 2022

Portugueses de Valor 2022: Nomeado Hugo Morgado

 

Hugo Morgado nasceu em Nogent-sur-Marne, mas assume que se sente mais português que francês. Com um ano de idade, seguiu com os pais para Portugal, lá permanecendo durante sete anos. Foi numa localidade, perto da cidade de Óbidos, que passou a maior parte da sua infância. Recorda-se de uma vida rural, no campo, com liberdade e alegria.

O seu regresso a França ainda hoje lhe está gravado na memória. “Foi nu dia de Inverno, cheio de neve, coisa que eu nunca tinha visto na vida. Tinha oito anos de idade e ver a nova vida, em Paris, um centro totalmente urbanizado, foi uma grande surpresa para mim. Já no seu país de nascença, completou a sua formação, tirando um curso superior de Administração e Gestão de Empresas. Começou a trabalhar, juntamente com a mãe, nas agências de viagens, um negócio que ainda hoje é detido pela família.

Seguiu-se uma experiência de cinco anos num banco, tendo chegado a director de agência, até que passou a gerir a Multipompage, uma empresa reconhecida em Paris pela especialidade em bombagem de betão. Quando era criança, Hugo Morgado assume que tinha dois sonhos, hoje já completamente realizados. “Sonhava não viver um dia-a-dia fechado e monótono e, hoje, tenho a grande vantagem, que alcancei na vida, de ter essa liberdade nas minhas acções. Tenho o poder de decisão, onde posso escolher os caminhos por onde posso seguir. Também tinha o sonho de ter uma família unida, ter filhos próximos de mim, sempre tive essa educação, e isso também alcancei. Tenho uma família fantástica, filhos fantásticos, tenho a minha mãe que está comigo, a minha esposa é maravilhosa, ajuda-me bastante”.

O passar do tempo, faz com que Hugo Morgado vá tendo novos sonhos e aspirações para a sua vida. Acima de tudo, deseja fazer descobrir a arte da bombagem de betão, “que é uma verdadeira arte, não é trabalho comum. É um trabalho que merece muito respeito, por isso queria fazer avançar o estado de espírito sobre essa profissão. Isto não é o que as pessoas pensam, são trabalhos muito técnicos, trabalhos abertos a mulheres e homens, são duros é certo, mas são muito técnicos e com muito futuro”.

Para Hugo Morgado, a palavra, a honestidade e o respeito de todos são os três grandes pilares da sua vida. “O mais importante na vida não é ter, é ser, e saber viver com os outros”. Hugo não esquece também a sua vertente mais solidária, apoiando clubes associativos e a associação Les Copains d´Hugo, associação à qual reconhece grande mérito pelo trabalho desenvolvido. “No meio que posso, tento ajudar quem tem iniciativas interessantes e com um projecto bem definido para ajudar os outros, aqueles que realmente necessitam”.

Para si, ser português é ser corajoso. Nasceu em França, passou por Portugal e depois regressou ao país que o viu nascer, mas com o passar dos anos vai-se sentindo cada vez mais português. “Por exemplo, quando a França ganhou o Mundial de futebol em 1998 estava muito contente e senti-me mesmo francês, mas com o passar da idade sinto que quero voltar às raízes e sinto-me um português de raiz, mesmo tendo nascido em França. Quando mais avanço na vida, mais me sinto português e tenho imenso orgulho porque é um povo fantástico e um país lindo”. Hugo deseja que todos os portugueses continuem a valorizar Portugal e a representar o país da melhor forma possível.

Newsletter

Subscreva a Newsletter para receber conteúdos semanais sobre Portugal e toda a comunidade Portuguesa!

 

Veja também...

Museu Carmen Miranda, no Marco de Canaveses, reabriu com a exposição temporária "Antestreia"

 

O Museu Carmen Miranda, no Marco de Canaveses, reabriu com uma exposição temporária intitulada “Antestreia”, dedicada à artista e com a curadoria de António Ponte. O Museu Carmen Miranda encontrava-se encerrado para obras de requalificação e ampliação.

Ler notícia

Quinta de Santoinho celebrou os 50 anos de existência com grande festa para o público

 

Festa e arraial minhoto: é assim há 50 anos. A Quinta do Santoinho está de portas abertas desde 1972. O Santoinho nasceu pelas mãos de António Cunha, empreendedor no setor do turismo e transportes, ao sentir a necessidade de englobar num só espaço as vivências e a cultura do Minho.

Ler notícia

Arte para todos os gostos: as opções da Feira Nacional de Artesanato, em Vila do Conde

 

Os jardins da Avenida Júlio Graça, em Vila do Conde, voltaram a encher-se de artesanato. É aqui que decorre a 44ª edição da Feira Nacional de Artesanato. Das rendas de bilros, a feira foi abrindo portas a outros artesãos. Hoje, são cerca de 200 expositores, com artesãos de todo o país, que mostram o que de melhor fazem, com diferentes matérias-primas.

Ler notícia