Portugueses de Valor 2021: Nomeada Nair Pinto
07 Aug, 2022 Última Actualização 10:53 AM, 5 Aug, 2022

Portugueses de Valor 2021: Nomeada Nair Pinto

 

Maria Nair Pinto nasceu na pequena aldeia e freguesia de Zoio, no concelho de Bragança. Desse lugar boas recordações, tendo aí passado toda a sua infância e juventude. Cresceu com carinho e amor da sua família. Esteve em Portugal até aos 19 anos, altura em que emigrou para França.

Em território gaulês fez um pouco de tudo. “Guardei crianças, trabalhei em hotelaria, em restauração e também tive patroas”. Só há cerca de 15 anos é que deu asas ao sonho de criança e se tornou artista a tempo inteiro. Faz pintura a óleo, aguarela, modelagem e até escultura. Nair Pinto é o exemplo de que nunca é tarde para se seguir sonhos.

Hoje, tem o seu atelier em Ozoir-la-Ferrière, nos arredores de Paris, onde dedica uma parte do tempo às suas obras. “Para mim, a pintura, funciona como uma terapia. Passo muito tempo no meu atelier e sinto-me bem aqui, a fazer as minhas obras”. A sua mãe já era artista, embora de forma diferente, por isso o ‘bichinho’ pela arte esteve sempre presente na vida de Nair Pinto.

“Já nasci com esta paixão. Até na escola eu já demonstrava o meu jeito, era muito boa a desenhar e na pintura. A professora guardava todos os meus trabalhos, porque gostava muito deles”. Sempre foi autodidata, mas acabou por se inscrever numa associação em Ozoir-la-Ferrière que tinha um professor que ensinava algumas bases importantes. “Inscrevi-me para poder ir mais longe”.

Para além do sonho da arte, orgulha-se dos seus três filhos. Hoje, sonha apenas com paz no mundo. Para si, a amizade é tudo. Ao nível associativo, apoia uma associação de deficientes e faz parte de uma associação de artistas de Ozoir-la-Ferrière. Apesar de estar em França há vários anos, continua a gostar e a defender o seu país. “Eu acho que o povo português é muito mais aberto na amizade e mais recetivo às pessoas”.

Newsletter

Subscreva a Newsletter para receber conteúdos semanais sobre Portugal e toda a comunidade Portuguesa!

 

Veja também...

Quinta de Santoinho celebrou os 50 anos de existência com grande festa para o público

 

Festa e arraial minhoto: é assim há 50 anos. A Quinta do Santoinho está de portas abertas desde 1972. O Santoinho nasceu pelas mãos de António Cunha, empreendedor no setor do turismo e transportes, ao sentir a necessidade de englobar num só espaço as vivências e a cultura do Minho.

Ler notícia

Arte para todos os gostos: as opções da Feira Nacional de Artesanato, em Vila do Conde

 

Os jardins da Avenida Júlio Graça, em Vila do Conde, voltaram a encher-se de artesanato. É aqui que decorre a 44ª edição da Feira Nacional de Artesanato. Das rendas de bilros, a feira foi abrindo portas a outros artesãos. Hoje, são cerca de 200 expositores, com artesãos de todo o país, que mostram o que de melhor fazem, com diferentes matérias-primas.

Ler notícia

Dancefloor – Jump to the Drop regressou e abanou com a cidade de Braga

 

Três anos depois, o Dancefloor – Jump to the Drop regressou para animar a cidade de Braga. Durante dois dias, o Altice Fórum Braga abanou com um cartaz repleto de nomes imparáveis dos subgéneros mais variados de música de dança.

Ler notícia