À 'moda do Porto', a Casa Canelas tem Francesinha na ementa todas as quintas-feiras
07 Aug, 2022 Última Actualização 10:53 AM, 5 Aug, 2022

À 'moda do Porto', a Casa Canelas tem Francesinha na ementa todas as quintas-feiras

 

De Portugal até Paris. Na Casa Canelas, esta iguaria sacia o paladar de um amante deste petisco típico da cidade do Porto. Mas não é na cidade portuense que nos encontramos, mas sim nos arredores de Paris. A Casa Canelas apresenta na sua ementa, todas as quintas-feiras, esta especialidade portuguesa.

É bem portuguesa mas, segundo reza a lenda, a sua origem deve-se a uma inspiração numa sanduíche francesa. Segundo reza a história, foi um português de nome Daniel David Silva que nos anos cinquenta trabalhava no restaurante “A Regaleira”, no Porto. Tendo sido emigrante em França, ele usou como inspiração uma das sanduíches mais típicas de França, o “Croque-Monsieur”.

A sua ideia foi a de ajustar os ingredientes ao paladar e cultura gastronómica das gentes da cidade do Porto, habituadas a comidas substanciais de sabores fortes e quentes, acabando por criar o famoso molho que é, sem qualquer contestação, a alma de qualquer boa Francesinha. A diversidade de bebidas alcoólicas nele utilizadas e a sua quantidade, afectam de forma determinante o seu sabor e a sua acidez ou doçura.

Existem restaurantes que fazem molhos de excelência cuja combinação de ingredientes é um segredo que dura há gerações. Mas se o molho é a alma da Francesinha, a qualidade das carnes utilizadas e até o tipo de pão que se usa são a sua estrutura, sendo o paladar final fortemente influenciado pela sua escolha criteriosa.

Ao longo do tempo, a Francesinha foi ganhando o seu espaço na gastronomia portuguesa. Já sabe, todas as quintas-feiras ou em qualquer outro dia, por encomenda, na Casa Canelas pode provar uma Francesinha. De Portugal, a Paris, a Casa Canelas continua a promover a gastronomia portuguesa.

Newsletter

Subscreva a Newsletter para receber conteúdos semanais sobre Portugal e toda a comunidade Portuguesa!

 

Veja também...

Quinta de Santoinho celebrou os 50 anos de existência com grande festa para o público

 

Festa e arraial minhoto: é assim há 50 anos. A Quinta do Santoinho está de portas abertas desde 1972. O Santoinho nasceu pelas mãos de António Cunha, empreendedor no setor do turismo e transportes, ao sentir a necessidade de englobar num só espaço as vivências e a cultura do Minho.

Ler notícia

Arte para todos os gostos: as opções da Feira Nacional de Artesanato, em Vila do Conde

 

Os jardins da Avenida Júlio Graça, em Vila do Conde, voltaram a encher-se de artesanato. É aqui que decorre a 44ª edição da Feira Nacional de Artesanato. Das rendas de bilros, a feira foi abrindo portas a outros artesãos. Hoje, são cerca de 200 expositores, com artesãos de todo o país, que mostram o que de melhor fazem, com diferentes matérias-primas.

Ler notícia

Dancefloor – Jump to the Drop regressou e abanou com a cidade de Braga

 

Três anos depois, o Dancefloor – Jump to the Drop regressou para animar a cidade de Braga. Durante dois dias, o Altice Fórum Braga abanou com um cartaz repleto de nomes imparáveis dos subgéneros mais variados de música de dança.

Ler notícia